Menu / Materias/Documentarios

Os desconhecidos que sobrevivem ao lado do mangue


Desconhecidos do poder pblico, moradores que vivem s margens do Rio Cear tm direitos essenciais ausentes no cotidiano  Nada na localidade parece ser propício para a vivência humana. A comunidade que recebe por referência de endereço o bairro Vila Velha IV, localizada no mangue às margens do Rio Ceará, vem sofrendo com o abandono do poder público.

 

Falta moradia digna, água encanada, iluminação pública, recolhimento de lixo e segurança. Entulhos são verificados por todos os lados. Lixo e esgoto a céu aberto, misturado às águas do mangue, formam grandes poças de lama que são vistas ao longo de vários trechos das ruas sem calçamento. Situação que piora com as chuvas e a elevação do nível do rio, transformando quintais, por exemplo, em pequenos lagos poluídos, onde brincam as crianças, em busca de peixes e siris.

O forte mau cheiro proveniente desses espaços parecem já fazer parte do ambiente naquela parte do bairro, onde a dona de casa Aura Pereira do Nascimento, 56, mora há mais de dez anos. “Nem sinto mais (o cheiro forte)”, conforma-se.

Além da dona Aura, cerca de 400 famílias, estimativa dos próprios moradores, vivem em situação precária. Ninguém sabe ao certo como ou quando começou a ocupação do espaço.

De acordo com a assessoria de comunicação da Secretaria Executiva Regional (SER) I, a Prefeitura não tem conhecimento da existência dessa comunidade específica, às margens do rio Ceará, do bairro Vila Velha IV.

Os moradores por si mesmos organizam-se para resolver como dá os inúmeros problemas do local. “A gente não tem água encanada. Já pedimos para vir para cá, mas não vem nada. Então, a gente se reúne, compra uns canos, todo mundo coopera e puxa, por nossa conta, a água que vem da Cagece (Companhia de Água e Esgoto do Ceará), lá da rua de cima para cá”, conta a costureira e líder comunitária Liduína Costa Campos, 46, apoiada por outra liderança da comunidade, José Coelho da Silva, 59.

Liduina sabe da irregularidade cometida e não consegue enxergar outra alternativa à gambiarra. “Se não for assim, todo mundo morre. A gente precisa beber, cozinhar, tomar banho”, defende.

O quêENTENDA A NOTÍCIAFalta moradia, alimentação de qualidade e água potável para uma comunidade localizada no Bairro Vila Velha IV. Os moradores ainda convivem com lixo, insegurança, entulhos e esgoto a céu aberto.SAIBA MAIS O chefe do distrito de meio ambiente da SER I, Assis Macedo, adverte que não é possível intervir no local pois trata-se de uma Área de Proteção Ambiental (APA).O POVO verificou a existência de projetos da Prefeitura para retirada da população da área e nada foi encontrado.De acordo com a assessoria de imprensa da Fundação de Desenvolvimento Habitacional de Fortaleza (Habitafor), o órgão não tem conhecimento da comunidade, mas assegurou o comprometimento em ajudar, desde que procurado diretamente pelas famílias que residem no local.

Sara Rebeca Aguiar



Fonte:http://www.opovo.com.br/app/opovo/fortaleza/2011/04/02/noticiafortalezajornal,2120781/os-desconhecid
  02/04/2011 11:35:14

© 2010. Todos os direitos reservados ao Portal - Bairro Jardim das Oliveiras
O portal de notícias da comunidade mais completo e atualizado.
Desenvolvido por Ronaldo de Paula - Soluções web .